concurso

FREI CANECA

1/4
imagens 3d:

1/1

Identidade

 

A Rua Frei Caneca criou ao longo dos anos uma identidade especifica, a construção do shopping fez com que houvesse diversificação de público e uma maior circulação de automóveis e pedestres na via, o que incentivou o comércio, a implantação de hotéis e o aumento do investimento na construção de novos edifícios. A vida cultural e noturna cresceu e a Rua Frei Caneca se tornou referência de bares e discotecas animadas atraíndo o público homossexual que se identificou com o entorno. Portanto desde a manhã, quando empresários e funcionários vão rumo a Av. Paulista trabalhar, à tarde, quando o movimento de almoço e restaurantes se intensifica, à noite, quando o público universitário sai em busca de atrações culturais e lazer, até a madrugada, com os badalados bares e casas noturnas; a Rua Frei Caneca recebe diariamente um público diversificado e dinâmico. Notoriamente o espaço, principalmente o espaço público, não acompanhou essa transformação de usos, e hoje apresenta aos olhos um aspecto descuidado, desorganizado e insuficiente, e é justamente essa questão que será resolvida nesta proposta de reurbanização.

 

Pudemos identificar numa leitura crítica 3 fases importantes e bem demarcadas ao longo da Rua Frei Caneca. Sendo a fase 1, identificada com a Av. Paulista, a fase 2 identificada com o bairro da Consolação e a fase 3 em ligação com o centro da cidade (Av. 9 de Julho). A fase 1, que compreende desde a Av. Paulista até o cruzamento com a R. Peixoto Gomide, tem como característica uma maior calha viária e seu uso é muito influenciado pela grande avenida, sendo ele em sua maioria um uso corporativo e comercial. A fase 2, que compreende desde a R Peixoto Gomide até proximidades da R. Paim, tem como característica geral um agitado comércio de rua e um uso cultural em desenvolvimento. Já a fase 3, mais tranqüila, compreendendo desde a R. Paim, até o final da Frei Caneca, na R.Caio Prado é caracterizada pelo uso residencial e de comércio de bairro.

 

Decidimos trabalhar a reurbanização com base na leitura dessas 3 fases, tratando o desenho de projeto de maneira a suprir suas necessidades específicas, sem esquecer a importância da leitura do todo como um conjunto único.

 

Fluxos

 

A Rua Frei Caneca se apresenta como um eixo conector entre a Av. Paulista e o centro da cidade (Av. 9 de Julho) e também a R. da Consolação. Hoje em dia essa conexão é feita principalmente através do automóvel, a proposta então será diversificar o uso do transporte público e particular, incentivando principalmente o deslocamento do pedestre e do ciclista ao longo de toda a via, sem esquecer a importância do automóvel na vida atual paulistana, que terá seu espaço definido e organizado para facilitar o escoamento veicular.

 

A fase 1 (Av. Paulista) será contemplada pelo metrô (estação Consolação) e ônibus, na fase 2 (bairro Consolação) a proposta é que o pedestre seja privilegiado, com nivelamento da faixa de rolagem e a calçada, e na fase 3 (centro), além do uso das linhas de ônibus que servem a esse trecho, com a implementação do novo funicular, poderá obter-se um rápido acesso de pedestres e ciclistas à Av. 9 de julho.

 

 

Sustentabilidade

 

O que torna um projeto sustentável não é apenas uma medida, mas sim um conjunto de medidas, a sustentabilidade é aqui um partido de projeto e vem agregada a toda e qualquer decisão adotada, aqui exporemos alguns dos principais temas que são derivados do pensamento sustentável:

 

Sustentabilidade Social – Enfocamos na harmonia da convivência das diferentes atividades desenvolvidas na via pública. Dos diferentes fluxos dos meios de transporte e do pedestre, e dos diferentes usos: comércio, cultura, lazer e residência.

 

Sustentabilidade Econômica – Estimulamos através das melhorias urbanas, a maior utilização da calha da rua, a atração de um maior número de usuários na região, incentivando o comércio, os negócios e a cultura, tornando a Frei Caneca uma rua interessante e presente no mapa turístico–cultural de São Paulo. Nos elementos específicos do projeto, desenvolvemos a padronização do mobiliário urbano e calçamento, dando importância para sua durabilidade, beleza e qualidade dos materiais empregados, facilitando sua manutenção, deslocamento e instalação.

 

Sustentabilidade Ambiental – Pensamos ser de vital importância a implantação de uma ciclovia em todas principais vias da cidade, por esse motivo foi implantada uma ciclovia ao longo da calha da Rua Frei Caneca, com essa medida se diminuiria drasticamente a emissão de poluentes, sólidos e sonoros. Ampliamos também a arborização da via e criamos uma zona verde, fruto da revitalização da área do escadão, que conecta a R. Frei Caneca com a Av, 9 de Julho, com o plantio de diversas espécies da flora brasileira também contribuindo para a diminuição de poluentes e o conforto termo acústico. O uso dos materiais corretos também colabora para uma maior sustentabilidade do projeto, por exemplo, para a calha viária foi destinado o asfalto ecológico, que ajuda na reciclagem de pneus velhos e melhora a sua durabilidade. Os pisos de calçamento são drenantes, de maneira a devolver à terra parte da água da chuva e reabastecer o lençol freático, além de enriquecer o solo. O restante da água da chuva é encaminhado por duas grandes grelhas laterais que têm profundidade suficiente para escoar as águas nas épocas de chuva forte, evitando alagamentos. O mobiliário urbano foi pensado de maneira a utilizar menos material, como o concreto, por exemplo, evitando assim grandes gastos de energia na sua fabricação. Foi utilizada a estrutura metálica, que é um material mais leve e de fácil montagem, e sempre que possível foi empregada a madeira, que certificada e proveniente de reflorestamento, além de cumprir uma função estética, é altamente reciclável e antipoluente, pois armazena carbono em sua constituição.

Projeto: Estúdio Artigas + Urb SP + Ateliê Navio + Bruno Layus + Neili Farias

Equipe: Marco Artigas, Ursula Troncoso, Bruno Layus, Neili Farias

Data do projeto: 2010